segunda-feira, 3 de setembro de 2012

A veja É FOCO DE PESTILÊNCIA

Fui preso político durante a ditadura militar.

Vez por outra, principalmente quando estava sendo transportado a outro estado, colocaram-me em cadeias para presos comuns, ao lado desses infelizes. Mais tarde, visitei um amigo que cumpria pena (por posse de remédios igualados a entropecentes!) naquela Casa de Detenção que viria a ser palco de uma carnificina atroz em 1992.

E, quando ele foi libertado, anotei seus relatos para escrever um livro --mas acabei desistindo da idéia porque o Percival de Souza lançou um bem parecido com o que eu tinha em mente.

Então,  posso dizer que conheço bem o ambiente das prisões; daí considerar extremamente repulsivo quem se regozija por um semelhante ir para trás das grades, como faz a revista veja na capa de sua edição de 05/09/2012, saudando "a perspectiva inédita da prisão de corruptos" com um ATÉ QUE ENFIM estampado em letras garrafais..

Por pior que seja o criminoso, devemos lastimar a sua sorte, tanto quanto a de suas vítimas. São vidas desgraçadas, destruídas. Que prazer há nisso?

Também não vejo sentido nenhum em atirar numa masmorra quem não representa um perigo para a sociedade, como o João Paulo Cunha, até agora o mais ameaçado de prisão em regime fechado. 

Trata-se do caso típico de alguém que, se fez aquilo que o STF decidiu que fez, foi apenas porque a ocasião se apresentou, não por ele a haver criado. Acabar com sua carreira política e impor-lhe alguma pena alternativa não seria suficiente? Querem também que seja degradado com a exibição numa jaula?

Da veja, hoje, discordo em tudo. Não só das posições políticas, mas também dos valores éticos e visão de mundo. Que podem ser resumidos em apenas duas palavras: monstruosa desumanidade.

É lixo tóxico: contamina quem a toca. A redação deveria ser interditada pelo Ministério da Saúde, como foco de pestilência.


Nenhum comentário:

Postar um comentário